Translate

Receba por e-mail nossas publicações

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Cuide de sua saúde-


Informação importante
  • 10 minutos – Uma quantidade parecida com 10 colheres de chá de açúcar golpeiam seu organismo (100% da recomendação diária). Com essa quantidade de açúcar, você só não vomita imediatamente porque o ácido fosfórico quebra o enorme sabor de açúcar, permitindo que a Coca não fique tão doce.
  • 20 minutos – O açúcar do seu sangue aumenta, causando uma explosão de insulina. Seu fígado responde transformando todo o açúcar em gordura (que nesse momento é abundante).
  • 40 minutos – A absorção de cafeína está completa. Suas pupilas dilatam, sua pressão aumenta e, como resposta, seu fígado joga mais açúcar em sua corrente sanguínea. Os receptores de adenosina no seu cérebro são bloqueados, evitando que você fique entorpecido.
  • 45 minutos – Seu corpo aumenta a produção de dopamina, estimulando os centros de prazer do seu cérebro. Fisicamente, é exatamente isso que acontece se você tomar uma dose de heroína.
  • 60 minutos – O ácido fosfórico prende o cálcio, o magnésio e zinco no seu intestino grosso, provocando um aumento no metabolismo. Essa junção é composta por altas doses de açúcar e adoçantes artificiais. Isso também faz você eliminar cálcio pela urina.
  • 65 minutos – A propriedade diurética da cafeína começa a agir, e faz você ter vontade de ir ao banheiro. Agora é certo que você ira defecar a junção de cálcio, magnésio e zinco; que deveriam ir para seus ossos, assim como o sódio e a água.
  • 70 minutos – O entusiasmo que você sentia, passa. Você começa a sentir falta de açúcar, que faz você ficar meio irritado e ou com preguiça. Essa hora você já urinou toda a água da Coca, mas não sem antes levar junto alguns nutrientes que seu corpo iria usar para hidratar o organismo e fortalecer ossos e dentes.

Mais um detalhe: A Coca Light e agora a Zero tem sido considerada cada vez mais pelos médicos e pesquisadores como uma bomba de efeito retardado, por causa da combinação Coca + Aspartame, suspeito de causar lúpus e doenças degenerativas do sistema nervoso.
O ingrediente ativo na Coca-Cola é o ácido fosfórico.

Seu PH é 2,8. Ele dissolve uma unha em cerca de 4 dias.

Ácido fosfórico também rouba cálcio dos ossos e o maior contribuinte para o aumento da osteoporose.

Há alguns anos, fizeram uma pesquisa na Alemanha para detectar o porquê do aparecimento de osteoporose em crianças a partir e 10 anos (pré-adolescentes). Resultado: Excesso de Coca-Cola, por falta de orientação dos pais.

Para transportar o xarope de Coca-Cola, os caminhões comerciais são identificados com a placa de Material Perigoso que é reservado para o transporte de materiais altamente corrosivos.

Os distribuidores de Coca-Cola têm usado a coca para limpar os motores de seus caminhões há pelo menos 20 anos.

Recebido por e-mail , desconheço a autoria.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Diferença entre tristeza e depressão


Diferença Entre Tristeza Normal e Depressão

Qual a diferença entre tristeza e depressão? Como saber se o que a pessoa tem é tristeza normal somente ou se é depressão? O tratamento é diferente?

A perda de um ente querido por morte, reprovação em um concurso muito esperado, rompimento de um relacionamento afetivo, demissão de um emprego, são experiências que deixam a pessoa triste, uma tristeza normal, que pode durar poucos dias ou semanas (dependendo do vínculo que a pessoa tinha com a outra, do tipo de personalidade dela, do significado emocional da perda, etc.), sem precisar remédio ou tratamento.

Se a pessoa demora a recuperar-se da tristeza, se sua produtividade cai muito, se começa a pensar só negativo, vindo frequentemente à cabeça idéias de morte, se perde a energia para trabalhar, se fica desinteressada por coisas que davam prazer, então ela precisa de um profissional para atendimento psicoterápico e avaliação da necessidade ou não de antidepressivo, devendo ser inicialmente um médico psiquiatra. Ele mesmo pode fazer o acompanhamento psicoterápico e medicamentoso, ou pode assumir somente o tratamento farmacológico e encaminhar a pessoa para uma terapia com um psicólogo clínico.

Se há na família desta pessoa caso(s) de suicídio e depressão, e se ela tem idéias suicidas, se já tentou suicidio no passado, ela precisa de atendimento urgente com profissional psiquiatra.

O tratamento da pessoa com tristeza temporária não envolve um profissional ou medicamentos, apenas, apoio, empatia, “dar um colo”, ouvi-la, confortá-la, e o tempo resolve. Se a pessoa está desenvolvendo um quadro depressivo (a tristeza não passa mesmo após vários meses do evento doloroso e ela cai em desânimo forte, tende a isolar dos outros, além dos sintomas acima), precisará da ajuda profissional para aprender a lidar com a dor de maneira construtiva, administrar os pensamentos para que eles não fiquem envenenando sua mente e se afundando mais ainda por nutrir idéias ruins, negativos, de desesperança.

O profissional procurará entender que tipo de personalidade é esta pessoa, o quanto ela está afetada pelas perdas sofridas, se teve depressão no passado, se é uma pessoa ativa ou passiva, se cultiva normalmente pensamentos positivos ou negativos, ou se sempre foi alguém melancólico que demora em meditações tristes, etc. Dependendo deste perfil, a pessoa poderá precisar de medicamentos antidepressivos por uns poucos meses além do apoio psicoterápico. A internação hospitalar só justifica se a pessoa estiver tão deprimida que não se alimenta, não sai da cama, não quer tomar banho, e tem idéias suicidas sérias no sentido de estar pensando acabar com a sua vida. Mas se ele consegue trabalhar, não pensa em suicídio, embora esteja triste e mais lento do que o normal, pode ser que baste o apoio psicoterápico sem precisar de medicação.

Existe a depressão leve, moderada e grave. A leve pode ser tratada em muitos casos só com terapia psicológica. A moderada e a grave necessitam de algum apoio medicamentoso por um tempo, talvez 3 meses, ou 6 meses, dependendo de várias coisas. A depressão grave pode ocorrer com uma perturbação grave da percepção da realidade, ou seja, além de deprimir a pessoa pode apresentar também sintomas psicóticos, como alucinação, delírios, desorientação no tempo, no espaço e quanto a si mesma, e requer medicamentos específicos contra os sintomas psicóticos, além do antidepressivo.

O Hipérico (Hypericum perforatum) é um fitoterápico (planta medicinal) que produz bons resultados em pessoas com depressão leve, melhor naquelas que nunca usaram medicamentos psiquiátricos. É também conhecido como Erva de São João, mas cuidado porque há Erva de São João que não é o hipérico. A dose usual para pessoas com depressão leve é uma cápsula de 300mg 3 vezes ao dia, podendo aumentar para 4 ao dia após 3 semanas se não melhorar.

Entretanto, é importante lembrar que qualquer medicamentos antidepressivo não muda a forma da pessoa pensar e nem produz automaticamente a resolução construtiva da dor pelas perdas afetivas, o que envolverá extravasamento da dor, apoio, compreensão, chorar, sentir a dor, parar com os pensamentos destrutivos e desenvolver esperança. E também lembre-se de que os mesmos medicamentos produzem resultados diferentes para pessoas diferentes.

Escrito por Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

http://www.novotempo.org.br/advir/?p=3304&utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+Advir+(Advir)&utm_content=Yahoo!+Mail


* Coma menos e melhor


Coma Menos e Melhor!!

Karyne M. Lira Correia
Comer é algo muito prazeroso! Por ser algo nos gera prazer, corremos o risco de exagerar na quantidade de alimento que ingerimos. O famoso “olho grande”.

Confesso que essa é uma dificuldade pessoal minha. Apesar de ser magra, gosto muito de comer, e preciso estar sempre atenta para não exagerar!!

Mesmo sendo prazeroso, o comer deve ser feito com moderação. Não é porque um alimento é saudável que ele pode ser comido indiscriminadamente, sem limites. Ser temperante é se abster do que é prejudicial e usar moderadamente o que é bom!

De acordo com Ellen White, “a intemperança no comer é muitas vezes a causa da doença” (Conselhos Sobre Regime Alimentar, p. 310)

Acontece que quando adquirimos um hábito, é preciso esforço e estratégias para modificá-lo. Algumas pessoas precisam de apoio profissional nesse momento, outros conseguem trabalhar o autocontrole sozinhos.

Para auxiliar aqueles que entendem que precisam melhorar a alimentação no que diz respeito à ingestão excessiva, seguem abaixo algumas dicas do livro “Saúde com Sabor” de Eunice Leme Vidal. Não sou nutricionista, mas, como analista do comportamento, tomei a liberdade de fazer algumas observações que estão em vermelho em alguns:

1. Antes do primeiro bocado, coloque no seu prato tudo o que você deveria comer. Sugiro que faça um prato só de salada, inicialmente, e depois um prato com os demais alimentos.
2. Coma com deleite, esquecendo os problemas; tenha delicadeza e bons modos ao comer, e faça-o com uma oração de agradecimento ao Criador.
3. Não “limpe” o prato ao terminar as refeições. Isso não significa que se desperdiçar comida!
4. Desacelere a sua velocidade no comer; pegue pequenos bocados e mastigue completamente. Descanse o talher no prato entre um bocado e o próximo. Não use líquidos para amolecer a comida (isso é trabalho para a saliva). O prazer que o alimenta causa perdurando na boca satisfará o seu apetite com menor ingestão.
5. No início do processo reeducativo, planeje pequenas pausas durante as refeições.
6. Nunca repita qualquer porção a não ser de alimentos crus.
7. Peça licença para sair da mesa imediatamente após terminar de comer.
8. Sugira uma caminhada ou exercícios leves.
9. Planeje antecipadamente o que você vai comer em um restaurante ou envetos sociais, e então fique em seu planejamento.
10. Não pense ou olhe para o alimentos sobre a mesa ao se aproximar o final da refeição.
11. Não coma nada depois de haver terminado a sua porção de refeição. Tudo que sobrar, coloque na geladeira. É possível que sob a desculpa de não jogar o restinho fora muita gente alimenta o habito de comer além do necessáiro.
12. Elimine ou reduza as gorduras da refeição. Além de altamente calóricas, elas aumentam a palatibilidade e sustentam o desejo de comer mais.
13. Procure escolher alimentos que satisfaçam os quatro sabores básicos logo no início da refeição:
- salgado (alimentos que levem sal).
- doce (amido bem cozido e bem mastigado, frutas doces ou frutas passas dão este sabor).
- azedo (tomate, limão, frutas ácidas ou semi-ácidas, iogurt e algumas verduras).
- levemente amargo ou amargo (cebola, azeitona, algumas verduras, alguns legumes, algumas sementes e castanhas).

http://mulheradventista.com/coma-menos-e-melhor/#more-2692